Defesa de dissertação – Natália Rubim de Medeiros Gottardi

Logo do PPGNS

Título do trabalho:
Comer transtornado e fatores associados em universitários durante a primeira onda da pandemia da COVID-19

Resumo:

O início do estudo universitário é um grande estressor para os jovens, e está associado a maior incidência de comer transtornado. Diversos fatores colaboram para essas alterações no comportamento alimentar, e no cenário atual destaca-se a pandemia da COVID-19. O objetivo deste trabalho foi avaliar o comer transtornado e seus fatores associados em estudantes de graduação da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) durante a primeira onda da pandemia da COVID-19 no Brasil. Foram convidados todos os estudantes matriculados em cursos presenciais da UFES. A coleta de dados foi realizada entre os meses de maio e junho de 2020, através de um questionário semiestruturado online com informações autorreferidas. O comer transtornado foi avaliado através de um questionário validado (Disordered Eating Attitude Scale - short), onde escores mais altos representam atitudes alimentares mais disfuncionais. A pontuação de cada questão foi somada, e a partir da mediana obtida os participantes foram distribuídos entre: “Abaixo da mediana” ou “Igual ou superior à mediana”. Para a análise estatística foi utilizado o software SPSS® versão 22.0, sendo adotado o nível de significância de 5%. Aceitaram participar da pesquisa 936 universitários, sendo a maioria do sexo feminino (n = 667; 71,3%). Os resultados mostraram que apresentar sintomatologia de síndrome gripal (OR = 1,605; IC = 1,144-2,252; P = 0,006) e mudanças negativas no humor (OR = 1,628; IC = 1,110-2,387; P = 0,013) aumentou as chances de uma maior pontuação na escala do comer transtornado. Além disso, o ganho de peso também aumentou significativamente essas chances (OR = 1,739; IC = 1,298-2,329; P < 0,001), sendo inclusive três vezes maiores em quem apresentava obesidade (OR = 3,089; IC = 1,899-5,024; P < 0,001). Seguir perfil fitness / de saúde em mídias sociais dobrou as as chances de apresentar pontuação igual ou acima da mediana na escala do comer transtornado (OR = 2,050; IC = 1,505-2,793; P < 0,001), associação também observada com uma percepção corporal inadequada (OR = 2,416; IC = 1,576-3,705; P < 0,001) e insatisfação corporal (OR = 2,612; IC = 1,558-4,378; p < 0,001). Se associaram, portanto, a uma maior pontuação na escala do comer transtornado as variáveis relacionadas à pandemia, estado nutricional e comportamentais. Esses resultados podem contribuir para o estabelecimento de medidas com o objetivo mitigar os efeitos desfavoráveis da pandemia sobre o comportamento alimentar dessa população.

Discente:
Natália Rubim de Medeiros Gottardi

Orientador:
Fabíola Lacerda Pires Soares
Luciane Bresciani Salaroli

Data da defesa:
29/04/2022.

Horário:
13h30.

Local:
Webconferência - https://meet.google.com/ude-qqdj-rok

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910